Você está feliz com o andamento das suas aulas on-line? 

Todos os professores se perguntam isso em algum momento. Geralmente, uma taxa de participação baixa é um dos maiores problemas. 

No início, os professores presumem que os alunos participarão com prazer, já que são os chamados nativos digitais e a interação on-line deve ser fácil para eles. Mas a verdade é que enquanto alguns se desenvolvem, outros precisam de mais ajuda para sair da sua zona de conforto. Infelizmente, o fechamento das escolas por causa da pandemia não ajudou, pois muitos professores e alunos não estavam preparados para aulas exclusivamente on-line. 

E embora as escolas estejam começando a voltar lentamente ao presencial, ainda vivemos uma situação instável. Algumas tiveram que fechar várias vezes, enquanto outras agora estão considerando adotar permanentemente o modelo de sala de aula híbrida. 

É por isso que aprender a envolver os alunos on-line ainda vale a pena.


Leia mais: Primeiros passos com o ensino híbrido


Conselhos úteis para melhorar as taxas de participação em aulas on-line

Incentivar mais alunos a participarem das aulas on-line significa criar o ambiente certo e oferecer a cada um muitas oportunidades de participação. Se você se sente sem ideias ou quer que eles se abram mais, veja aqui sete sugestões de atividades:

1. Quebra-gelos rápidos

Começar com a mente preparada gera um efeito de bola de neve positivo, pois incentiva os alunos a se envolverem desde o início. É por isso que quebra-gelos são divertidos. No entanto, sabemos que eles podem levar mais tempo do que o planejado. Os quebra-gelos rápidos, por outro lado, podem ser realizados em um intervalo de três a cinco minutos. 

Veja aqui alguns deles:

  • Metamorfose: peça aos alunos que desliguem as câmeras. Eles têm dois minutos para encontrar algo para vestir como fantasia e mudar o próprio nome para refletir essa nova personalidade. 
  • Enquetes: este é simples, pois tudo o que você precisa fazer é uma pergunta, como “Como vocês estão se sentindo hoje?”, e então todos podem participar. Isso também ajuda a perceber o ânimo dos alunos e como alternar entre atividades. 
  • Desenhe seu humor: peça que usem o quadro branco virtual para desenhar o humor deles.
  • Toca aqui: peça que cumprimentem virtualmente o colega à direita, à esquerda, na diagonal, etc. batendo a mão no alto. 
  • Eu nunca: publique frases em um quadro branco ou slide e peça aos alunos que levantem a mão para dizer “Eu já” ou “Eu nunca”. Por exemplo, uma boa frase pode ser “Dei uma longa caminhada esta semana” ou “Fiz carinho em um cachorro”. 

O objetivo é que todos os alunos participem, por menor que seja essa interação. 

2. Bate-papos interativos

Os alunos têm mais oportunidades de falar em turmas menores, independentemente do formato. Em sessões on-line, os professores podem pedir que os alunos falem se a turma for relativamente pequena ou usar a função de bate-papo se for uma turma maior. 

O sistema é simples. Os alunos levantam a mão sempre que tiverem uma dúvida, então será a vez deles de falar. Eles também podem usar emojis para expressar que compreenderam um conceito. Por exemplo, um emoji de rosto sorridente significa que tudo está claro, já um rosto confuso significa que eles precisam de mais explicações. Você também pode encontrar maneiras de expressar que uma lição é difícil. 

O bate-papo interativo é mais fácil de usar quando você tem um assistente de ensino ou alguém que possa ajudar na moderação. No entanto, você mesmo pode fazer isso em atividades mais curtas de perguntas e respostas. 

3. Mostre e conte on-line

A técnica de mostrar e contar nunca envelhece, pois é uma oportunidade para os alunos falarem sobre si mesmos e se relacionarem com diferentes assuntos por meio das próprias experiências. Nesse cenário, os alunos passam a ser instrutores por um tempo, tornando essa atividade tão interessante quanto eles quiserem (com vídeos, apresentações, colagens, etc.). 

Você também pode incentivar os alunos a participarem gamificando o processo. Por exemplo, em uma atividade, o professor mostra um diagrama que representa uma cadeia alimentar, mas sem as linhas conectando os conceitos relevantes. Neste caso, os alunos podem trabalhar em duplas discutindo a conexão entre os níveis tróficos e podem explicar o processo de pensamento que tiveram. Ao completar o diagrama, outros alunos poderão ver. 

A ideia por trás desta atividade é incentivar os alunos a apresentar, aguardar a vez, assumir a liderança, desenhar na tela, enfim, tudo, menos observar passivamente. 

4.  Inversão da sala de aula

Se a instrução direta não estiver funcionando, pode ser a hora de uma mudança. 

A sala de aula invertida não é nenhuma novidade, mas agora, mais do que nunca, os educadores recorrem a esse método de ensino para aumentar os níveis de envolvimento. Muitos acham mais fácil ensinar o conteúdo por vídeo ou aulas escritas, para que os alunos possam acessar a qualquer hora. Assim, todas as atividades e discussões síncronas contarão com a participação dos alunos, o que lhes confere domínio sobre o processo de aprendizagem. 

Se você estiver usando um AVA, também pode liberar conteúdo para os alunos aos poucos, agendando lições para que sejam disponibilizadas semanalmente ou sempre que você precisar. Dessa forma, os alunos se concentram em uma seção de cada vez, sem pular nenhuma.

5. Feedback dos pares

Na maioria dos casos, os alunos trabalham individualmente ou em grupos pequenos, recebem uma nota e isso é considerado suficiente. Mas e se os trabalhos fossem mais interativos? E se eles aprendessem a dar feedback uns aos outros?

Um bom exemplo é uma redação, que exige tempo e prática. Escrever uma pequena redação e ter outro aluno dando feedback também melhora as habilidades de pensamento crítico dos alunos e os ensina a receber feedback sobre o próprio trabalho. 

O exemplo acima é uma excelente atividade assíncrona, mas isso também pode ser feito durante as aulas síncronas. O professor oferece uma instrução, como “Escreva uma introdução para uma redação”. Em seguida, os alunos organizam uma rodada de feedback rápido em que eles dão opiniões com base nas perguntas que aparecem na tela, como: 

O que eu gostei no trabalho do meu colega?

O que pode ser melhorado?

O que eu faria de forma diferente?

O que eu aprendi com o trabalho do meu colega?

Esse tipo de exercício é mutuamente benéfico, e os alunos podem ter ideias ótimas para melhorar. Além disso, é provável que a maioria dos alunos se lembre dos argumentos que os colegas fizeram e os usem para referência futura.


Leia mais: Adotando a mentalidade assíncrona para um ensino online melhor


6. Pega-pega on-line

Peguei, tá com você! 

Este jogo clássico funciona muito bem em uma sala de aula virtual, com alguns ajustes. Por exemplo, o professor dá uma instrução e, com base nisso, os alunos se revezam para responder às perguntas. Quando um deles termina, pode nomear outra pessoa para continuar. Para deixar tudo ainda mais divertido, eles podem marcar a pessoa nos comentários com a função de menção @… ou escrever o nome/apelido dela no quadro branco virtual. 

A regra é sempre marcar pessoas diferentes, assim todos têm a chance de participar. O maior benefício é que todos os alunos devem prestar atenção porque todos podem ser marcados. Isso funciona para qualquer tipo de atividade, como resolver problemas de Matemática ou responder a perguntas sobre um assunto no curso de História. 

7. Debate on-line 

Os alunos precisam de interações com os colegas tanto quanto precisam da interação entre professor e aluno. Uma atividade fácil para cuidar disso é o debate on-line. 

Os alunos podem ser divididos em salas de apoio e usar uma ferramenta de colaboração como o Google Docs ou o SharePoint. Eles terão um tempo para debater ideias, pesquisar, resolver problemas, etc. Para verificar se os grupos estão trabalhando, você pode ir visitando as salas de apoio. 

Se eles precisam de algo mais versátil para escrever ideias ou desenhar, sempre há a opção de quadros brancos colaborativos on-line.

Ideia bônus: Coleta de feedback

Embora você já defina as expectativas no início de um curso, um feedback pode ser feito sempre que você precisar mudar algo. Uma taxa de participação baixa pode ser causada por vários fatores. Você precisa separar o que pode fazer como educador do que depende de fatores externos, como a necessidade de uma conexão melhor com a Internet. 

As pesquisas são a maneira mais rápida de receber feedback e identificar outras áreas problemáticas. Além disso, se você acha que os alunos ficarão mais à vontade para dar opiniões com pesquisas anônimas, por que não tentar? Uma boa ideia é usar mais perguntas de múltipla escolha em vez de perguntas abertas. Por exemplo, peça que eles “classifiquem as atividades do curso como: a) Muito interativas, b) Um pouco interativas e c) Nada interativas”. 

Os alunos geralmente recebem feedback pelo trabalho que fazem. Poder participar e dar feedback ao professor é uma mudança bem-vinda.

Resumo

Encontrar o seu ritmo como professor on-line é uma experiência de aprendizagem, não algo que acontece da noite para o dia. 

A gestão de uma sala de aula é complicada, e cada professor encontrará o próprio estilo para envolver os alunos. Enquanto isso, a melhor coisa que você pode fazer é implementar atividades novas que darão a cada aluno a chance de participar.

Fique por dentro! Manteremos você atualizado com as dicas e recursos EdTech mais valiosos. Inscreva-se e nunca mais perca uma postagem!