O envolvimento dos alunos é uma grande parte da aprendizagem independente. Queremos que os alunos interajam ativamente com o material de aprendizagem, não importa onde eles estejam e como estejam aprendendo.

Por si só, os vídeos educativos não são nenhuma novidade, especialmente no mundo da aprendizagem assíncrona e combinada. Eles não são grande coisa, já que os professores descobriram que podem se concentrar em oferecer atenção individualizada aos alunos ou atividades em sala de aula que não envolvam aulas expositivas por meio da pré-gravação dessas aulas.

Agora, o ensino em sala de aula é diferente do ensino por vídeo. Você não está controlando o ambiente e as distrações dos seus alunos. No entanto, ele apresenta muitas vantagens, como a capacidade de personalizar materiais especificamente para os seus alunos, a adaptação do conteúdo ao seu nível de compreensão e, por último, mas não menos importante, a reutilização de alguns dos materiais para aulas futuras.

E, embora esses vídeos liberem um certo tempo para outras atividades, a capacidade de alcançar seu objetivo de oferecer uma experiência de aprendizagem eficaz depende da qualidade. Claro, não estou falando sobre a qualidade da produção. No final das contas, o que mais importa em vídeos educativos é evitar um velho arqui-inimigo da aprendizagem: a carga cognitiva.

Carga cognitiva e aprendizagem multimídia

Como todos sabemos, a aprendizagem profunda implica foco e envolvimento com o material. Consequentemente, seus alunos não estão assistindo aos vídeos passivamente, mas sim estão fazendo um esforço cognitivo para aprender, algo que envolve memória sensorial, de trabalho e de longo prazo.

A aprendizagem por vídeo pode atrapalhar esse esforço quando o vídeo propriamente dito contém distrações, como informações supérfluas, música de fundo ou animações “apenas por diversão”. Acima de tudo, a capacidade da memória de trabalho dos alunos é limitada e difere de um aluno para outro. Por isso, distrações involuntariamente incorporadas ao vídeo só aumentam a experiência, de maneira negativa.

A Teoria Cognitiva da Aprendizagem Multimídia (Mayer e Moreno, 2003) também destaca dois aspectos diferentes da memória de trabalho:

  • canal visual/pictórico – responsável pelo processamento de informações visuais, como ideias em slides;
  • canal auditivo/verbal – responsável pelo processamento de informações auditivas, como professores narrando uma aula.

Cada canal pode ficar “sobrecarregado” e é por isso que uma “aprendizagem significativa envolve o processamento cognitivo, incluindo a construção de conexões entre representações pictóricas e verbais” (Mayer e Moreno, 2003). Em outras palavras, esses dois canais andam de mãos dadas, mas manter uma mentalidade minimalista para ambos proporcionará os melhores resultados para você.

O que faz um vídeo educativo ser bom?

Agora que vimos a ciência por detrás dos vídeos, vejamos algumas das melhores práticas baseadas em evidências para tornar suas videoaulas mais envolventes e eficazes:

  1. Vídeos curtos funcionam melhor

    Um estudo frequentemente citado sobre MOOCs (cursos online abertos e massivos) diz que os vídeos devem ter cerca de seis minutos de duração. Depois disso, a maioria dos alunos perde gradualmente o interesse.

    No entanto, essa regra foi contestada por evidências subsequentes, como este estudo de Stanford, argumentando que vídeos de MOOCs são diferentes dos vídeos de educação formal. Por exemplo, os alunos de cursos universitários são diferentes de um aluno médio de MOOC, pois assistirão aos vídeos várias vezes e não desistirão tão facilmente. Além disso, há mais coisas em jogo quando você está na escola e precisa passar em um teste padrão.

    Portanto, a lição aqui é manter os vídeos curtos, mas não se preocupe muito com a regra dos seis minutos. Até mesmo cinco, sete ou dez minutos funcionarão, desde que você conheça seus alunos e possa estimar quantas informações eles são capazes de processar de uma vez só.

  2. Segmentação de informações

    A ideia por detrás da segmentação é que os alunos devem se concentrar em uma coisa de cada vez. Você pode se basear em uma aula maior e criar pequenos blocos de informações para evitar a sobrecarga cognitiva.

    Além disso, cada aluno controla com que rapidez ou lentidão deseja assistir ao vídeo, pois eles podem avançar, pausar para refletir sobre o aprendizado ou voltar e assistir novamente aos segmentos.

    Existem muitas maneiras de incorporar esses momentos nos vídeos. Por exemplo, temos:

    • Microlearning: usando o recurso de microlearning do seu LMS, você pode criar pequenas aulas com minivídeos. Como as microaulas removem todas as distrações visuais da tela, os alunos se concentrarão na aprendizagem;
    • Ferramenta de vídeo: usando uma plataforma de criação como a Kaltura, você pode fazer anotações e segmentar um vídeo mais longo em blocos pequenos, como introdução, definição, primeiro conceito, segundo conceito, conclusão, etc.

    Além disso, você também pode adicionar questionários e perguntas que os alunos podem responder antes de passarem para o próximo “bloco”.

  3. Baseie-se em conhecimentos anteriores

    Todos nós sabemos como os alunos constroem conhecimento usando experiências anteriores. Portanto, você pode lembrar os alunos de usar conceitos anteriores em momentos-chave do vídeo.

    Por exemplo, você pode pausar o vídeo para dizer “Lembram-se de quando falamos sobre …”, seguido por uma definição simples como um lembrete e, em seguida, continuar explicando novos conceitos. Você também pode tornar essa parte mais divertida, mostrando uma “Caixa de Lembranças” no vídeo para que os alunos possam pausar o vídeo e dedicar alguns momentos para relembrar informações anteriores.

    Além disso, aproveite essas pausas sempre que precisar delas para refletir sobre o que você está ensinando.

  4. Os vídeos devem ser orientados a um objetivo

    Imagine que você está colocando o papo em dia com um amigo que está muito animado por te ver novamente. Ele muda de assunto várias vezes, explicando coisas diferentes e mencionando muitas pessoas que você não conhece. É preciso muito foco para acompanhar os pontos principais da história. Você provavelmente ficará confuso.

    É assim que os alunos se sentem quando recebem muitas informações, especialmente quando não estão familiarizados com o assunto.

    Portanto, mesmo que seja tentador adicionar o máximo de detalhes possível, os vídeos devem ser curtos e orientados a um objetivo. Informações irrelevantes precisam ser removidas. Para isso, sempre faça esta pergunta: “Esse fato é absolutamente essencial para atingir o objetivo de aprendizagem ou apenas aumentará a carga cognitiva?”

    O mesmo se aplica a elementos de distração, como música de fundo, slides do PowerPoint cheios de conteúdo, animações chamativas ou planos de fundo muito coloridos.

  5. Sinalização ou indicação

    Os alunos já se esforçam para prestar atenção, relembrar informações e organizá-las de maneira coerente. No entanto, você pode ajudá-los a reduzir a carga cognitiva ao sinalizar no que eles devem prestar atenção, algo que você provavelmente já faz, mesmo que não chame isso de “sinalização”.

    Por exemplo, neste vídeo do Crash Course (começando em 2:14), as palavras-chave mais importantes, como “the sky” ou “meadows”, estão em destaque e têm símbolos conectados. Dessa forma, os alunos sabem que elas são palavras-chave importantes que os ajudarão a interpretar o poema e que, por isso, devem se lembrar delas.

    No entanto, você também pode fazer isso simplesmente realçando palavras, aplicando uma cor diferente ou usando letras maiores que o restante do texto. Você pode adicionar animações, como setas, que apontam para segmentos essenciais.

  6. Correspondência dos canais visual e auditivo

    Você se lembra dos dois canais da memória de trabalho: visual e auditivo? Eles podem trabalhar separadamente, mas são brilhantes juntos, pois aumentam o envolvimento do aluno.

    Por exemplo, seu vídeo pode mostrar um processo, como o ciclo natural da água, com várias imagens e animações. No entanto, para tornar isso mais eficaz, você também pode narrar o que está acontecendo no suporte visual.

    Além disso, se você gosta de fazer parte do vídeo e imitar uma abordagem individual, apenas certifique-se de mostrar o que está explicando, mesmo que seja em um quadro branco simples.

Conclusão

Bons vídeos educativos envolvem o gerenciamento da carga cognitiva. Para cativar a atenção dos seus alunos, tudo o que você precisa fazer é seguir as melhores práticas, como criar vídeos pequenos e orientados a um objetivo que envolvam os canais visual e auditivo.

Fique por dentro! Manteremos você atualizado com as dicas e recursos EdTech mais valiosos. Inscreva-se e nunca mais perca uma postagem!