Depois de tantas quarentenas e medidas de distanciamento social, está claro que algumas das mudanças trazidas pela pandemia vieram para ficar. Estamos descobrindo coletivamente o novo normal, e não posso deixar de pensar que nem todas as mudanças são ruins. Na verdade, mudanças que já deveriam ter sido feitas há muito tempo.

O ensino superior está bastante atrasado em comparação com outros setores no caminho para a digitalização. Apesar da crescente demanda por tecnologias educativas e aprendizagem on-line, palestras presenciais e atividades no campus continuaram sendo a parte central de como os alunos tinham acesso à educação.

No entanto, a pandemia global colocou o ensino superior em um caminho rápido em direção à adoção digital.

Em primeiro lugar, vimos universidades de prestígio colocarem seu conteúdo totalmente on-line. Algumas até mesmo chegaram a oferecer descontos nas mensalidades para alunos que fizessem aulas on-line. Outras inevitavelmente seguiram o exemplo, mas não na mesma medida, optando por adotar ambientes de aprendizagem híbrida, uma vez que investidores voltaram a atenção para a tecnologia educativa e manifestaram um interesse particular no vínculo entre o ensino superior e a força de trabalho.


Leia mais: Primeiros passos com o ensino híbrido


Mudanças são inevitáveis. Então, vamos explorar algumas tendências de aprendizagem on-line que, na minha opinião, estão moldando a forma como as faculdades e universidades prepararão os alunos para o futuro.

1. Aprendizagem com base em competências

Um aspecto do sistema educacional que não é particularmente eficiente é o uso do tempo como medida de aprendizagem: o maior número de horas gastas em um determinado assunto nem sempre equivale a maiores chances de os alunos o dominarem. Os alunos têm necessidades de aprendizagem únicas e também conhecimentos prévios diferentes. Por conta disso, alguns podem passar rapidamente por alguns materiais de aprendizagem, enquanto outros precisarão de tempo extra.

Um modelo de aprendizagem com base em competências tem a finalidade de corrigir essas discrepâncias. Cada curso ou lição está vinculado a uma ou mais competências (ou habilidades) que um aluno precisa desenvolver. Os alunos vão progredindo nessas competências em seu próprio ritmo e não podem passar para as mais avançadas sem comprovar o domínio das básicas.

Os instrutores podem usar plataformas de aprendizagem inteligentes para criar cursos on-line e atribuir competências a cada atividade de aprendizagem. Os alunos recebem recomendações personalizadas com base no progresso e podem escolher como serão avaliados. Isso não só melhora os resultados acadêmicos, como também aumenta as taxas de retenção e a capacidade de aplicar o que foi aprendido durante a experiência de trabalho, estágios ou empregos futuros.


Leia mais: 3 aspectos principais de uma plataforma de aprendizagem personalizada


2. Credenciais digitais

Falando em empregos, a economia digital de hoje exige a qualificação contínua dos trabalhadores se eles quiserem permanecer competitivos. A pandemia forçou muitos setores a digitalizar o maior número possível de operações para garantir a sobrevivência dos negócios, mas alguns podem argumentar que a adoção de tecnologias digitais já estava forte mesmo antes disso. Pergunte a qualquer profissional digital se o diploma universitário o ajudou a conseguir (ou manter) um emprego. Duvido que você receba muitas respostas do tipo “Sim, e bastante!”.

Os empregadores precisam de trabalhadores capazes de pensar rapidamente e se adaptar a novos processos com rapidez. Porém, as instituições de ensino superior têm dificuldades em alinhar os currículos às demandas em constante mudança dos empregadores. Portanto, os diplomas não pesam mais tanto quanto antes.

A alternativa a diplomas de quatro anos vem sob a forma de credenciais digitais. Os alunos que dominam uma competência podem ganhar um emblema digital para mostrar isso. Aqueles que concluem um curso ou uma série deles em um roteiro de aprendizagem recebem um certificado digital. Com emblemas e certificados suficientes acumulados, eles podem impressionar empregadores em potencial.

Credenciais digitais são revolucionárias, especialmente para pessoas com grau universitário, mas nenhum diploma e que muitas vezes são descartadas para cargos de alto nível, apesar de terem as habilidades para ter sucesso nesses cargos.

3. Inteligência artificial

O aprendizado de máquina e a inteligência artificial (IA) devem causar impacto no ensino superior daqui para frente. Essa tendência estava ganhando força antes mesmo de 2020, e as coisas só vão avançar a partir de agora. Os educadores não conseguem atender às necessidades de aprendizagem do número cada vez maior de alunos (que nem mesmo estão necessariamente no campus). Porém, com a ajuda da IA, isso é possível.


Leia mais: Cuatro motivos por los que la IA sería una excelente asistente de enseñanza


A integração da IA na tecnologia educativa tira parte da carga de trabalho dos ombros dos professores e contribui para uma experiência de aprendizagem mais personalizada para os alunos. Tarefas tediosas ou repetitivas, como o planejamento de cursos no início de cada semestre ou a avaliação de exames, podem ser delegadas à IA, pelo menos parcialmente. Além do mais, um ambiente virtual de aprendizagem (AVA) com inteligência artificial pode possibilitar que os alunos recebam suporte direcionado durante as jornadas de aprendizagem, graças a um mecanismo de recomendações de IA que os instrutores definem com antecedência.

A inteligência artificial também pode aprimorar a experiência dos alunos por meio de chatbots baseados em texto ou alto-falantes inteligentes ativados por voz. Universidades em todo o mundo testaram essas tecnologias com grande sucesso, e tenho certeza de que muitos fornecedores de tecnologias educativas estão trabalhando para integrá-las a plataformas de aprendizagem on-line. Considerando a ascensão da aprendizagem remota, acho seguro supor que seu uso só tende a crescer.

4. Tecnologias imersivas

A realidade aumentada (RA), a realidade virtual (RV) e a realidade mista (RM) não estão tão difundidas na educação devido aos altos custos de aquisição, design altamente especializado e outras restrições. No entanto, os alunos aproveitariam a oportunidade de usar essas tecnologias a qualquer momento, pois elas proporcionam experiências de aprendizagem verdadeiramente imersivas e interativas.

A RA adiciona uma sobreposição virtual ao mundo físico, enquanto a RV cria uma realidade construída, separada daquilo que é real. A RM é uma mistura de ambas. Essas tecnologias trazem imenso potencial para estudar campos complexos e de alto risco, como medicina, construção e engenharia de alta tensão. Isso significa que os alunos podem praticar as habilidades em um ambiente virtual seguro ou aprimorado sem que haja sérias consequências caso eles cometam erros.

Tenho certeza de que a adoção dessas tecnologias imersivas no ensino superior aumentará à medida que elas continuarem a serem desenvolvidas. Talvez o futuro esteja mais próximo do que imaginamos.

Reflexões finais

Antes da Covid-19, as instituições de ensino superior estavam apenas começando a explorar a aprendizagem on-line, mas exclusivamente como forma de apoiar a experiência principal em sala de aula. Então, a pandemia tomou conta do mundo e forçou todos a mudar rapidamente para o ambiente de aprendizagem digital. Agora, está claro que as universidades devem priorizar suas estratégias digitais e fornecer experiências completas de aprendizagem para todos os alunos, independentemente de eles estarem aprendendo remotamente ou não.

Fique por dentro! Manteremos você atualizado com as dicas e recursos EdTech mais valiosos. Inscreva-se e nunca mais perca uma postagem!