Igualdade e equidade são dois conceitos sensíveis que podem trazer à tona debates dramáticos instantaneamente. Em determinado ponto, a conhecida frase do livro “A Revolução dos Bichos” pode aparecer nesses debates.

Todos os animais são iguais, mas alguns são mais iguais que outros.

Orwell certamente sabia o que dizia. Esta frase é muito verdadeira, além da política em torno dela. À primeira vista, existem dois principais tipos: os que são iguais entre eles e os que são mais iguais. Mas essa categoria pode ser dividida em aqueles que são mais iguais e sabem disso e aqueles que são mais iguais, mas não percebem.

Muitos pertencem à última categoria. Provavelmente eu e você pertencemos a ela. Quem nunca experimentou nenhum tipo de discriminação provavelmente pertence a ela. E só depois que alguém da mesma categoria aponta a maior parte de nossa categoria é que percebemos que estamos nela. Pelo menos alguns de nós fazem.

Alguns de nós são realmente mais iguais do que outros

Vejamos, por exemplo, pessoas com deficiência. Pessoas totalmente saudáveis e pessoas com deficiência são iguais perante a lei. Eles têm acesso igual à educação, seguem qualquer norma cultural que desejam e assim por diante. Mas alguns não serão capazes de subir escadas quando vão ao tribunal para resolver uma questão legal ou quando correm pelos corredores de uma escola para chegar ao próximo curso. Existem soluções, no entanto, mas as escadas continuam a ser um obstáculo intransponível para essas pessoas.

Estima-se que, aproximadamente, 12% da população da América Latina e do Caribe tem alguma deficiência, porcentagem que equivale a 70 milhões de pessoas. Estamos falando de deficiência física (ou motora), deficiência visual total ou parcial, deficiência auditiva total ou parcial, deficiência da fala, daltonismo, deficiência cognitiva ou neurológica ou outras deficiências ocultas ou temporárias.

Além disso, as deficiências não têm limitações de idade. Segundo dados levantados em 2019 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), pelo menos 45 milhões de pessoas têm algum tipo de deficiência, sendo que uma a cada 7,5% são crianças de até 7 anos.

Muitas dessas deficiências afetam o processamento de informações e a experiência de aprendizagem de crianças e adolescentes, mas não são impossíveis de superar. Só porque alguém não consegue diferenciar entre rosa brilhante e cinza não significa que não possa entender conteúdos, fazer suas tarefas de casa ou, em geral, ser um bom aluno.

Porque acessibilidade na EAD é importante: WCAG e LBI

Embora o sistema educacional insista em manter métodos tradicionais (e às vezes obsoletos) de ensino, a mudança é iminente.

Os professores estão mudando as salas de aula, experimentando técnicas de gamificação, incluindo aplicativos nas atividades da sala de aula e acompanhando o progresso do aluno por meio de ambientes virtuais de aprendizagem. A tecnologia desempenha um papel imenso na forma como a educação está se transformando, e um número crescente de atividades educacionais acontecem online.

Se o acesso a diferentes andares pode ser feito por escadas e elevadores ou rampas – para garantir que todos os alunos possam chegar à sala de aula – o que pode ser feito para garantir que todos os alunos tenham igual acesso ao ambiente de aprendizagem online?

E acima de tudo, por que você deveria se importar?

Bem, o e-learning é uma forma de conteúdo online, e todo o conteúdo online deve aderir ao WCAG.

WCAG significa Diretrizes de Acessibilidade para Conteúdo Web. Essas diretrizes foram criadas pela organização internacional World Wide Web Consortium (W3C), a mesma organização por trás de HTML, CSS, XML e outras ferramentas que tornam a Internet possível. Os documentos WCAG explicam como tornar o conteúdo da web mais acessível para pessoas com deficiência.

A criação de materiais online que podem ser acessados por todos os alunos, incluindo aqueles com deficiência, não se trata apenas de seguir as diretrizes acima. É sobre respeitar a lei e seguir as regras estabelecidas nos artigos sobre acessibilidade da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (LBI). Isso é essencial se você está trabalhando em uma Instituição de Ensino Superior que pretende conseguir certificação MEC para seu curso EAD. O MEC exige itens de acessibilidade que podem ser encontrados em nota técnica.

Se você estiver envolvido na criação de cursos online, deverá prestar atenção a essas diretrizes e requisitos legais e criar materiais de aprendizagem online de acordo com elas.

Em que os educadores devem se concentrar ao garantir a acessibilidade do e-learning?

Antes de começar a projetar cursos online que respeitem os requisitos de acessibilidade, lembre-se de que os alunos com deficiência são alunos como todos os outros. Não crie cursos ou materiais diferentes e especiais para eles. Geralmente, os recursos de acessibilidade não são óbvios para aqueles que não têm nenhuma deficiência.

O design de e-learning acessível é simplesmente um bom design.

Um bom design é visualmente agradável. Se você mostrar seu curso online para alguém e a pessoa se afastar da tela, apertar os olhos ou imitar qualquer sinal de desconforto, você terá ajustes a fazer.

Um bom design é organizado e fácil de navegar. Uma boa regra a ter em mente é a de três cliques. O usuário deve ser capaz de obter as informações que deseja com três cliques ou menos. Portanto, não esconda materiais de aprendizagem de forma que force os alunos a realizar uma caça ao tesouro para encontrá-los.

Um ótimo design significa uma tela organizada. É uma linha tênue entre dificultar a localização das informações e colocá-las todas na página inicial. Alguns podem chamar de arte. Mas administrar essa linha tênue é uma habilidade que pode ser aprendida.

Um ótimo design faz uso de bom contraste. Tenha cuidado com as cores que escolher. Estabeleça um limite para o número deles em um curso, de forma que não se tornem muito brilhantes ou escuros, e nunca use cores vizinhas em uma única área.

Um bom design é estático. Não tem itens em movimento, que rolem, pisquem ou se apresentem de qualquer forma visualmente perturbadora. Os usuários nem precisam ter uma deficiência visual para serem afetados por eles. Apenas não os use.

Contanto que você siga esses princípios e diretrizes, seus cursos online serão excelentes. Todos os seus alunos irão desfrutar da experiência de aprendizagem. Alunos saudáveis ​​nem perceberão o design de acessibilidade, enquanto aqueles com deficiência ficarão felizes em acessar seus cursos sem maiores problemas.

Fique atento!

No próximo post, vou mergulhar ainda mais fundo no design de acessibilidade em e-learning. Vou compartilhar exemplos e dicas específicas sobre a criação de cursos online que atendam as necessidades de todos os alunos, independente de serem portadores de deficiência ou não.

Fique por dentro! Manteremos você atualizado com as dicas e recursos EdTech mais valiosos. Inscreva-se e nunca mais perca uma postagem!