O processo ideal de aprendizagem para um aluno é aquele que se adapta a cada necessidade dele: o ambiente que o cerca, o real conteúdo da lição, o método de apresentação, os tipos de avaliação e tudo mais o que houver nesse cenário. Quando isso acontece, o aluno tem maiores chances de entender os conceitos ensinados e, posteriormente, se lembrar do que aprendeu.

Assim como tudo o que é ideal, isso não acontece realmente na sala de aula. Como o ensino individualizado não é uma opção viável, os sistemas de aprendizagem adaptativa surgem como uma solução. No contexto das aulas on-line, o ambiente pode permanecer o mesmo, mas o conteúdo aprendido, sua forma e o modo como o aluno é avaliado podem ser personalizados de acordo com o comportamento de aprendizagem on-line do aluno.

Como a aprendizagem adaptativa funciona

Vejamos um exemplo: O aluno João acabou de se matricular no curso intermediário de Geografia usando o Ambiente Virtual de aprendizagem (LMS) da escola dele, que tem alguns recursos importantes de aprendizagem adaptativa.

A primeira coisa que o sistema faz é avaliar o conhecimento prévio de João em geografia por meio de uma série de perguntas que foram esclarecidas no nível iniciante do curso. Se João responder a todas as perguntas corretamente (ou à maioria delas, dependendo das regras estabelecidas de antemão pelo professor), ele poderá avançar para a primeira lição. Caso contrário, João deverá se matricular e concluir o nível iniciante do curso de geografia.

Em cada aula on-line, o sistema registra a atividade de João: quanto tempo demora em cada página, se o vídeo foi reproduzido, quais recursos extras foram acessados, se a barra de pesquisa foi usada e com quais termos, se as ferramentas de bate-papo estão ativadas e assim por diante. No fim de cada lição e ao final do curso, João deve realizar um ou mais tipos de avaliação para testar o conhecimento recém-adquirido.

Regras automáticas são definidas em cada etapa, de modo que o sistema possa fazer sugestões com base na atividade de João. Por exemplo, se João assistir a um vídeo diversas vezes seguidas em uma lição, o sistema pode sugerir que ele verifique a transcrição do vídeo, assista a um vídeo relacionado, consulte um recurso diferente ou até mesmo se matricule em um curso relacionado. Do mesmo modo, dependendo da pontuação da avaliação, o sistema recomendará o que João deve fazer depois: revisar o conteúdo ou avançar.

Um sistema de aprendizagem adaptativa usa inteligência artificial. Ele reúne, analisa e gera informações continuamente. A qualidade do processo depende, em grande parte, da qualidade das informações recebidas, tanto no início como durante o processo de aprendizagem do aluno.

Como usar aprendizagem adaptativa para personalizar experiências de aprendizagem

Com a ascensão da inteligência artificial na tecnologia educacional, a inteligência humana dos educadores é mais importante do que nunca. Isso porque os que ensinam ainda são os professores, e não as ferramentas tecnológicas. Veja como os professores podem aproveitar o poder da aprendizagem adaptativa para criar experiências personalizadas de aprendizagem on-line:

O conteúdo de aprendizagem

Para atender às necessidades de todos os alunos, os educadores precisam primeiro adaptar o conteúdo de aprendizagem. Alguns alunos respondem melhor ao formato em vídeo, que costuma atrair mais a atenção. Para outros, basta apenas ouvir alguém falar sobre um novo conceito. E, para outros, o que funciona melhor é o método antigo de ler e fazer anotações, por vezes destacando informações importantes em folhas impressas.

Por isso, é melhor que a mesma lição ou módulo de aprendizagem seja oferecido em diferentes formatos. Fazer isso pode exigir mais tempo e recursos, mas os cursos on-line podem ser reutilizados continuamente, e essa variedade de formatos será útil para definir as regras automáticas no sistema de aprendizagem adaptativa.

A apresentação do conteúdo

No ambiente de aprendizagem on-line, o ensino ao vivo tradicional está fora de cogitação. No entanto, ele ainda é possível, graças às ferramentas de videoconferência. A principal decisão a respeito dos tipos de apresentação on-line gira em torno do aspecto síncrono vs. assíncrono.

Os professores podem escolher uma aprendizagem síncrona remota (tanto os alunos quanto os professores estão on-line ao mesmo tempo), uma apresentação totalmente assíncrona (o horário em que o professor ministra o conteúdo não é o mesmo em que os alunos aprendem) ou um método híbrido (os alunos podem avançar pelo conteúdo no ritmo que quiserem, mas algumas videoconferências e alguns prazos são definidos de maneira síncrona).


Leia mais: Adotando a mentalidade assíncrona para um ensino online melhor


As avaliações

Se duas pessoas não aprendem da mesma maneira, é natural que elas também devam provar que dominam o conhecimento recém-adquirido de maneiras diferentes.

Os alunos devem ser avaliados de modos diferentes, dependendo de como preferem aprender. Pode ser um trabalho por escrito, uma apresentação, um vídeo de si mesmos explicando algum novo conceito, um questionário etc. Vale reforçar que a criação de vários tipos de avaliações em vez de apenas uma implica um maior trabalho para os professores, especialmente se consideramos que é preciso fazer algumas correlações entre os tipos de avaliações e as habilidades adquiridas. Mas, novamente, cabe lembrar que esses esforços não são em vão.

Encerramento

Personalizar o conteúdo e as avaliações é a base da entrega de experiências de aprendizagem personalizadas para todos os alunos. Com a ajuda das ferramentas certas de tecnologia educacional, educadores de todos os níveis podem criar e ministrar conteúdos que se adaptam às necessidades de aprendizagem de cada aluno, colocando-os no caminho certo para alcançar grandes resultados acadêmicos.

Fique por dentro! Manteremos você atualizado com as dicas e recursos EdTech mais valiosos. Inscreva-se e nunca mais perca uma postagem!