O fato de que a educação precisa mudar não é algo novo. Pensadores, autores, professores e líderes escolares vêm dizendo isso há muitos anos, citando áreas como currículo, pedagogia, reestruturação escolar e, claro, tecnologia. 

Na verdade, qualquer líder de tecnologia educacional, gerente de TI ou responsável pela implementação de uma nova tecnologia é, na verdade, um gerente de mudança, de uma forma ou de outra. Lembre-se de que esse papel pode ser muito gratificante e difícil ao mesmo tempo. Isso acontece porque gerenciar mudanças não significa escolher uma plataforma nova ou migrar para um sistema novo; tem a ver com as pessoas que trabalharão com as ferramentas novas e a possibilidade de que façam isso de maneira eficaz.

Muitas organizações instintivamente resistem a mudanças. Talvez seja porque elas fizeram outras tentativas que não funcionaram, foram orientadas a “só começar a usar” sem nenhum guia ou simplesmente não percebem por que deveriam prestar mais atenção na tecnologia.

Como ajudar professores e administradores a ver o valor da tecnologia educacional

É claro que, por conta da pandemia global, isso se tornou uma questão polêmica, pois cada vez mais professores aprenderam que precisam da tecnologia agora mais do que nunca. 

Quaisquer que sejam os motivos, a gestão de mudanças não tem a ver com a implementação do que você acha que eles precisam, mas sim com oferecer o que eles realmente precisam. 

Desde a melhoria nos resultados de aprendizagem até a demonstração de utilidade concreta nas tarefas do dia a dia, veja aqui alguns itens que ajudam os professores e os administradores a verem o valor da tecnologia educacional: 

Alinhar metas e resolver problemas

Quando as soluções de tecnologia educacional resolvem os problemas da escola de maneira eficaz, os professores normalmente reconhecem o valor que possuem. No entanto, às vezes a situação não deixa que vejamos a floresta por causa das árvores. Isso ocorre porque uma mudança vinda de cima para baixo significa que muitas vezes os professores são apresentados às ferramentas sem serem consultados previamente e sem saber como usar todo o potencial delas.

Uma estratégia que se alimente da contribuição dos professores por meio de testes preliminares e feedbacks constantes é mais valiosa porque oferece a eles um sentido de pertencimento. Em vez de resistirem à mudança, esse sentido de pertencimento os leva a se sentirem responsáveis pelo processo de transformação digital. O objetivo geral é ver os professores e administradores como beneficiários do e-learning, o que se resume a ouvir o que eles têm a dizer.

Mostrar utilidade nas tarefas diárias

O responsável pela gestão da mudança deve ter uma noção de como as pessoas são resistentes a mudanças, já que algumas escolas lidam melhor com isso do que outras. Se a cultura não é tão aberta para implementar novidades, o pior que você pode fazer é ignorar as críticas. Em vez disso, descubra por que eles são tão desconfiados das mudanças. Talvez eles tenham recebido a promessa de ferramentas novas e brilhantes no passado e descobriram que, afinal, elas não eram tão boas assim. Talvez a escola esteja passando por cortes no orçamento e incertezas.

Alguns percebem a tecnologia como uma espécie de substituto para os educadores, o que não é verdade. Com a tecnologia educacional, a função de professor ou administrador fica ainda mais importante. Deixe claro que não são eles que estão sendo substituídos, e sim a tecnologia antiga. Uma caneta vermelha e muitas horas gastas corrigindo lições em casa são substituídas pela avaliação on-line. Folhetos impressos estão ficando menos populares agora que temos os digitais. Os administradores não precisam realizar reuniões presenciais, pois a webconferência oferece mais flexibilidade, e assim por diante.

Ver como a tecnologia enriquece a aprendizagem

Não se trata apenas de substituir a tecnologia antiga, mas sim de ver o imenso potencial de enriquecimento para o ensino e a aprendizagem. Está ficando cada vez mais óbvio o fato de que as escolas precisam se adaptar. Depois de ver o quanto os alunos melhoram, fica muito mais fácil tentar algo novo.  

Ao ter uma visão geral do progresso, diminuímos as chances de que os alunos fiquem para trás. Ao oferecer a possibilidade de buscar ajuda extra on-line, eles aprendem melhor.

Mostre como os métodos mais antigos não são tão confiáveis ​​para alguns alunos, como é o caso dos que possuem dificuldades de aprendizagem. Uma tecnologia melhor e aprimorada os ajudará a se manterem atualizados e até mesmo se aperfeiçoarem nos cursos.


Leia mais: Design para acessibilidade em educação a distância


Seguir passo a passo

É fácil superestimar ou subestimar a ajuda de que os professores precisam quando começam a usar uma plataforma nova. A verdade é que todos somos diferentes e não há por que se envergonhar disso. Para começar, você pode criar cursos para o desenvolvimento profissional deles para que tenham uma noção de como uma plataforma funciona. Você também pode organizar miniworkshops ou webinars para apresentar os dispositivos novos.


Leia mais: Como ter sucesso na formação digital de professores


Desta forma, você também terá uma noção das dúvidas deles sobre o processo e saberá como resolvê-las. Por exemplo, se eles não têm certeza de que uma ferramenta vai funcionar, não ignore a opinião deles. Em vez disso, mostre como funciona, quais são os benefícios e, sim, quais podem ser as desvantagens, para que eles fiquem preparados para tudo. Tome nota de tudo o que simplesmente não funciona para eles e também o que funciona.

Encorajar professores e administradores a ajudarem uns aos outros quando necessário é uma forma mais sustentável de garantir que todos estejam engajados com as mudanças.

Crie uma zona sem julgamentos

Estar em uma sala de aula com um notebook que não funciona é o mesmo que colocar sua camiseta ao contrário. (Pois é, as duas coisas já aconteceram comigo, pelo menos não no mesmo dia).  

Certamente é desconfortável lidar com dificuldades técnicas ou sentir que você sabe muito menos do que seus alunos. Professores e administradores enfrentam a pressão de ter que estar sempre um passo à frente. Portanto, treinamento e ajuda suficientes devem ser obrigatórios. 

Será mais fácil implementar algo novo se houver uma comunidade de professores que possa contribuir e ajudar com conselhos e mostrar métodos novos de ensino on-line. Criar uma comunidade significa construir uma zona sem julgamentos, em que não saber não é motivo de constrangimento, mas sim um passo na direção certa.

Resumo

No fim das contas, para quem estamos implementando a mudança, senão para os professores e administradores? O que poderia ser mais importante do que oferecer a melhor educação possível para os alunos? É disso que se trata mostrar o valor da tecnologia educacional. Com paciência e visão de longo prazo, qualquer escola pode se tornar mais adaptada às mudanças na educação. 

Fique por dentro! Manteremos você atualizado com as dicas e recursos EdTech mais valiosos. Inscreva-se e nunca mais perca uma postagem!