Uma sensação de segurança é algo que não se pode ver a olho nu, mas é fundamental para uma ótima experiência de aprendizagem. Os educadores sempre tentaram garantir um ambiente de aprendizagem seguro para os alunos, com o objetivo de reduzir os resultados negativos e aumentar as taxas de retenção. Afinal de contas, ninguém consegue aprender nada de novo quando sente que está em perigo.

Escolas de todas as formas e tamanhos fizeram um trabalho maravilhoso ao proteger seus alunos, especialmente quando se trata das instalações físicas. Existem unidades de campus fechadas, guardas de segurança, cartões de acesso, câmeras de vigilância e plataformas on-line que contribuem para a manutenção de um ambiente seguro. Embora existam exceções, as instituições de ensino geralmente são seguras.

Porém, o espaço físico é apenas um aspecto para garantir a segurança dos alunos durante as atividades de aprendizagem. Com a tecnologia educacional tomando conta das salas de aula, principalmente durante a pandemia, o ambiente virtual de aprendizagem precisa ser um espaço igualmente seguro para os alunos.

A segurança on-line é uma preocupação em muitos setores, que assume automaticamente proporções maiores no contexto da educação. As instituições de ensino lidam com uma grande quantidade dados confidenciais (registros acadêmicos, informações pessoais, detalhes financeiros e muito mais) que, na maioria dos casos, pertencem a alunos menores de idade. O roubo de identidade também afeta as crianças, pois suas “fichas limpas” são muito desejáveis aos olhos dos criminosos cibernéticos.

Proteger os dados dos alunos é uma questão complexa, e somente uma equipe dedicada pode fazer isso com sucesso. Todas as partes interessadas devem estar envolvidas, desde os professores e a diretoria escolar até os outros funcionários e o departamento de TI. E, é claro, isso também inclui os alunos e seus pais. 

Embora todos tenham seu papel a desempenhar, vamos nos concentrar primeiro nos alunos:

Cinco dicas básicas sobre como ajudar os alunos a desenvolver habilidades em tecnologias cibernéticas

A maioria dos alunos hoje mal se lembra do mundo sem acesso à Internet e mal consegue entender a utilidade de uma enciclopédia. Cada vez mais, vemos smartphones em suas mãos desde muito cedo. Eles cresceram (ou estão crescendo) com o mundo tecnológico literalmente na ponta dos dedos e, por isso, sabem intuitivamente como dominar novas soluções de tecnologia.

Porém, não é suficiente desenvolver habilidades em tecnologias desde jovem. Para que nossos alunos se tornem grandes cidadãos digitais, que é o que queremos, também precisamos ensiná-los a desenvolver habilidades em tecnologias cibernéticas.

Estas são algumas dicas sobre como ajudar os alunos nesse sentido. Considere-as como a base de uma presença on-line saudável. Quanto mais jovens os alunos forem quando aprenderem essas coisas, melhor serão os resultados.

  1. Tenha sempre um antivírus atualizado

    Softwares antivírus fazem um trabalho incrível ao proteger os dispositivos contra todos os tipos de malware. Eles garantem que os usuários evitem muitos ataques cibernéticos em um princípio ou, pelo menos, notificam sobre qualquer coisa que pareça suspeita. Os alunos só devem usar computadores, laptops, tablets ou telefones que estejam protegidos.

    Uma aula sobre a importância de ter um antivírus instalado em cada dispositivo que eles utilizam para acessar a Internet deve responder pelo menos às seguintes perguntas:

    • O que é um programa antivírus e onde você pode encontrá-lo?
    • Como verificar se um dispositivo está protegido?
    • Como instalar um novo antivírus?
    • Contra quais tipos de malware ele protege seu dispositivo?

    Leia mais: Garantir a segurança online nas escolas é papel de todos


  2. Nunca use senhas fracas

    “123456”, “senha”, “qwerty” – estes são provavelmente os melhores exemplos das piores senhas. A realidade surpreendente é que muitas pessoas ainda usam esse tipo de senha. Os alunos precisam saber como criar e usar apenas senhas fortes para suas atividades on-line.

    Uma aula sobre a importância de senhas fortes deve incluir pelo menos as seguintes ideias:

    • Como criar senhas complexas e exclusivas para cada conta on-line
    • Com que frequência você deve alterar suas senhas
    • Quando usar um gerenciador de senhas
    • Por que é melhor impedir que redes ou navegadores públicos salvem ou armazenem suas senhas
  3. Tenha cautela com conexões Wi-Fi gratuitas

    Nem tudo que reluz é ouro, e nem tudo o que se autodenomina “livre” realmente é. Conexões Wi-Fi gratuitas estão por toda parte: no centro da cidade, em shoppings, bares etc. Para quem não tem um ótimo plano de dados (que é o caso de muitos alunos), essas conexões gratuitas são bastante atraentes. Porém, elas também são arriscadas, deixando os usuários expostos a distribuições de malware e outros ataques cibernéticos. Os alunos precisam saber mais.

    Uma aula sobre o desenvolvimento do pensamento crítico em relação ao uso de conexões Wi-Fi gratuitas deve incluir:

    • Como discernir entre conexões seguras e inseguras
    • Que tipos de dados podem ser compartilhados
    • Os tipos de dados e arquivos que nunca podem ser compartilhados
    • Que tipos de atividades on-line apresentam o menor risco
  4. Saiba como identificar possíveis golpes

    Os criminosos cibernéticos são especialistas em encontrar várias maneiras de enganar os usuários on-line desavisados, convencendo-os a fornecer suas informações pessoais. Mensagens de texto e mensagens diretas nas mídias sociais, bem como e-mails e chamadas de voz, são apenas a ponta do iceberg quando se trata de métodos de phishing, e os alunos precisam aprender a identificar possíveis golpes e a evitá-los.

    Uma aula sobre como evitar golpes de phishing deve incluir discussões sobre pelo menos estes tópicos:

    • O que é phishing e por que os criminosos cibernéticos desenvolvem esses golpes?
    • Quais são as pistas mais óbvias sobre ataques de phishing?
    • Quais são algumas das pistas menos óbvias que podem denunciar ataques de phishing?
    • É ou não aceitável interagir com um golpista comprovado?
  5. Relate quaisquer problemas relacionados à segurança cibernética

    O crime cibernético, embora on-line, não deixa de ser um crime. Indivíduos com ambições de lucro, trapaceiros e golpistas podem se esconder atrás das telas, mas isso não os torna menos responsáveis por suas ações. Ser um bom cidadão digital significa não apenas se comportar com responsabilidade on-line, mas também alertar quando outra pessoa não está fazendo o mesmo. Os próprios alunos podem não ser capazes de fazer muita coisa, mas a simples denúncia desse mau comportamento a um adulto pode ajudar bastante.

    Uma aula sobre como é importante para toda a comunidade educacional que todos denunciem qualquer ação que possa ser um crime cibernético deve incluir:

    • O que é o bullying cibernético e como reconhecê-lo
    • Por que a culpa nunca deve ser colocada na vítima
    • Por que vale a pena denunciar qualquer suspeita
    • Por que os alunos devem procurar um adulto, pai ou professor para denunciar um mau comportamento on-line

Em resumo

As instituições de ensino sempre precisarão fornecer a todos os seus alunos um ambiente de aprendizagem seguro, seja ele físico ou on-line. Medidas de segurança cibernética tornam-se mais importantes à medida que mais alunos se envolvem em atividades on-line para seus estudos. Independentemente da idade, eles precisam saber como se proteger contra um ataque cibernético. É por isso que é importante ensiná-los sobre softwares antivírus, como criar e gerenciar as senhas mais seguras possíveis, os riscos das conexões Wi-Fi públicas, como identificar possíveis fraudes cibernéticas e a importância de denunciar qualquer atividade suspeita a um adulto responsável.

Fique por dentro! Manteremos você atualizado com as dicas e recursos EdTech mais valiosos. Inscreva-se e nunca mais perca uma postagem!