Como professor do século XXI, há muitos fatores que você precisa considerar quando se trata das suas aulas. Você talvez se lembre do seu tempo na escola e daqueles professores que conseguiam criar um ambiente acolhedor, no qual todos se sentiam à vontade e dispostos a participar das discussões.

Criar um ambiente inclusivo exige um certo planejamento que possa contribuir mais tarde para a retenção e o sucesso dos seus alunos. Você pode nem estar ciente do fato de que alguns alunos se sentem marginalizados. Portanto, ao implementar essas estratégias, você precisa considerar fatores como religião, ambientes de baixa renda, deficiências de desenvolvimento, inglês como segundo idioma e incapacidade de aprender por uma razão ou outra, entre muitos outros.


Leia mais: Dicas de aprendizagem on-line para alunos neurodivergentes


Como cada vez mais escolas estão tentando aprimorar as habilidades dos professores para criar ambientes mais inclusivos em que todos possam aprender e prosperar junto com os colegas, este é um bom momento para fazer algumas mudanças na maneira como você ensina (on-line ou pessoalmente).

Cinco estratégias para deixar suas aulas mais inclusivas

Uma sala de aula inclusiva oferece um ambiente de aprendizagem descontraído, onde não há limitações. Os alunos não têm medo de falar, não importa quais habilidades possam ter. Essas estratégias tornam a integração social um tema mais fácil e removem rótulos e barreiras.

As crianças prosperam em ambientes em que não se sentem ridicularizadas, punidas ou rejeitadas ao expressarem opiniões. Embora a empatia e o respeito mútuo sejam vitais para qualquer sala de aula, a colaboração continua sendo uma das principais habilidades necessárias que os alunos do século XXI precisam desenvolver.


Leia mais: Cinco ferramentas digitais para tornar a sala de aula virtual mais inclusiva


Como cada pessoa e turma é diferente quando se trata de necessidades e preferências pessoais, não é possível seguir uma abordagem padronizada. No entanto, vale a pena tentar as estratégias a seguir, pois elas podem ser facilmente adaptadas para qualquer tipo de aula.

  1. Promova um ambiente de sala de aula positivo

    Um ambiente positivo tem um impacto direto no envolvimento e na aprendizagem dos seus alunos ao longo do ano. O primeiro dia de aula é uma ótima oportunidade para fazer com que todos se sintam bem-vindos, independentemente da origem econômica, religião ou etnia.

    Você pode planejar chegar dez minutos mais cedo e cumprimentar os alunos um por um. Faça um esforço para memorizar o nome deles e faça perguntas informais que não estejam necessariamente relacionadas à escola. Isso pode levar a conversas mais profundas e relacionamentos mais sólidos ao longo do ano letivo. Embora o respeito seja importante em todas as aulas, um senso de conexão pessoal torna a participação em sala mais entusiástica.

  2. Preste atenção aos alunos com mau comportamento

    Quando uma criança se comporta mal, escrever o nome dela na lousa não é uma boa maneira de resolver as coisas. Essa é uma maneira insensível de lidar com o problema, pois faz com que o aluno seja diferente da turma. Escrever o nome em uma folha de papel permite que os alunos saibam que se comportaram mal e lhes dá algum tempo para repensarem as ações, mesmo que não demonstrem isso.

    Quando você escreve o nome deles na lousa, expondo-os a toda a turma, você os prejudica, e eles provavelmente não mudarão o comportamento. Os nomes permanecerão na lousa, não importa se eles comecem a se comportar melhor ou não. Essa é uma forma de humilhação, especialmente para alunos que têm dificuldade em se concentrar nas aulas.

  3. Incentive a interação dos alunos

    Quando se sentem socialmente conectados com os colegas, os alunos tendem a aproveitar seu tempo na escola. As escolas podem apoiar os esforços dos professores no sentido de criar conexões, oferecendo oportunidades para os alunos se encontrarem e interagirem. Algumas estratégias incluem ajudá-los a aprender os nomes uns dos outros ou dar a eles a chance de se deslocar para diferentes partes da classe e interagir com alunos diferentes daqueles com quem normalmente interagiriam.

    Converse com eles antes de fazer as mudanças e explique que você está tentando fazê-los interagir com alunos que têm experiências de vida diferentes ou que vêm de origens diferentes. Isso pode ser alcançado mesmo na aprendizagem on-line pelo ambiente virtual de aprendizagem (AVA) da escola. Você pode criar fóruns ou aulas especiais ao vivo em que todos possam contar fatos sobre si mesmos.


    Leia mais: Quatro maneiras de promover a colaboração em espaços digitais


  4. As excursões escolares devem ser acessíveis

    A tentação de fazer uma excursão escolar é grande, especialmente se pensarmos no quanto as crianças gostam disso. No entanto, existem certas circunstâncias em que esses eventos podem fazer mais mal do que bem. Você pode não ter alunos com deficiências visíveis, mas pode ter alguém com fobias ou problemas no joelho. Nesse caso, subir 400 degraus para chegar a um monumento famoso e entrar em uma caverna estreita para explorar são atividades fora da lista.

    No início do ano, você pode fazer uma leve caminhada com seus alunos para ver como eles se sentem sobre isso. Caso contrário, pode procurar maneiras alternativas de fazer excursões escolares. Excursões virtuais ou uma visita ao museu local podem funcionar muito bem.


    Leia mais: Dez ferramentas que os professores podem usar para criar excursões escolares virtuais


  5. Não compare o progresso dos seus alunos

    Não é segredo que todos os alunos são diferentes quando se trata de aprendizagem. Alguns podem entender as lições com mais rapidez, enquanto outros podem exigir explicação adicional. Além de tudo isso, a avaliação das crianças também deve ser baseada nas preferências pessoais delas. Dê aos alunos a liberdade de escolher como eles gostariam de ser avaliados. Pode ser uma prova escrita, um blog, uma apresentação em PowerPoint, um vídeo ou um cartaz.

    Quando você receber os resultados do trabalho deles, tente não compará-los entre si. Afinal, aprender é uma jornada, e não uma competição. Algumas perguntas importantes a serem feitas seriam: “Você pode fazer melhor do que da última vez?” ou “O que mudou desde que começamos a aprender sobre esse tema?”.

Para concluir

Como já foi dito, não existe uma abordagem única que você possa seguir para tornar suas aulas mais inclusivas. Em vez disso, você deve se concentrar em cada necessidade individual e tentar criar relacionamentos sólidos com os alunos. Tente conhecer seus alunos pessoalmente e deixar todos à vontade para conversar e expressar suas ideias durante a aula e no intervalo.

Fique por dentro! Manteremos você atualizado com as dicas e recursos EdTech mais valiosos. Inscreva-se e nunca mais perca uma postagem!