A disseminação do coronavírus no ano passado afetou pessoas em todo o mundo, e todos nós enfrentamos grandes desafios. Mesmo que as escolas em todo o mundo tiveram que fechar seus portões pelo menos parcialmente no ano passado, era óbvio que a educação não poderia parar independente das circunstâncias.

A pandemia abriu os olhos das pessoas para o fato de que a tecnologia educacional serve a um propósito muito valioso, pois agora está claro que os alunos precisam aprender à distância. Existem muitas maneiras pelas quais os educadores podem usar a tecnologia para criar aulas online e ministrar instruções remotamente. Quando bem utilizadas, essas ferramentas podem contribuir para níveis mais altos de engajamento, apoiar a colaboração e, geralmente, tornar o aprendizado mais acessível.

Mas a tecnologia educacional é apenas uma parte da solução para superar todos os desafios relacionados ao bloqueio escolar. Afinal, a tecnologia é apenas uma ferramenta. A outra grande parte da solução consiste em todos os educadores que têm que se adaptar, às vezes às pressas, ao mundo online.

A mudança causada pelo uso de tecnologia educacional como parte integrante do ensino pode ser facilitada por meio de tutoriais, desenvolvimento profissional para professores e suporte contínuo de fornecedores. No entanto, os educadores precisam administrar uma mudança ainda mais desafiadora: ensino e aprendizagem síncronos para assíncronos.

Adotando a mentalidade assíncrona

O mais importante a ter em mente ao adaptar qualquer atividade regular para educação a distância é entender que a aprendizagem online não precisa acontecer ao mesmo tempo que o ensino online. Essa é uma mudança fundamental da sala de aula presencial e é o que torna a educação online incrível.

Vamos expandir essa ideia.

Em um ambiente presencial típico, há uma discussão em tempo real entre você e seus alunos.

Quando você fica online, também pode fazer isso. Você pode optar por executar aulas online de forma síncrona por meio de videoconferência.

Mas isso não é muito prático, em muitos casos. A probabilidade de todos os alunos (que agora estão em qualquer lugar, menos na sala de aula) terem conexões estáveis ​​com a Internet é baixa.

Portanto, é muito mais fácil se você, como instrutor, puder mudar para o ensino assíncrono.

Você e seus alunos não ficarão online ao mesmo tempo, o que leva um pouco de tempo para se acostumar. Mas depois de experimentar essa mudança, você descobrirá que é uma experiência incrivelmente esclarecedora.

Aprendizado assíncrono não é novidade…

O aprendizado assíncrono pode estar associado à recente revolução online, mas as pessoas aprenderam dessa forma muito antes de a Internet tomar conta de nossas vidas. Estou falando sobre os humildes livros.

Muitos anos atrás, eu costumava dar aulas na Universidade de Dallas. Tornei-me bom no ensino de minha especialidade em Ciência da Computação e sempre que ensinava a mesma coisa, repetidamente, lembro de ter pensado: se eu pudesse colocar tudo isso online e os alunos pudessem estudar em seu próprio ritmo, seria incrível!

Naquela época, não havia muitas plataformas de aprendizagem online e as que existiam não eram tão boas. Portanto, a única maneira de fazer isso era escrever um livro. E foi o que fiz. E o mesmo aconteceu com muitos outros professores naquela época.

Escrever um livro é uma forma de aprendizagem assíncrona: você, como educador, escreve tudo, as pessoas compram seu livro e leem, enquanto você – o autor – não está no mesmo lugar que eles, ao mesmo tempo.

Podemos fazer muito melhor agora e colocar o conteúdo online, para que os alunos possam aprender sempre que tiverem tempo e acesso a uma conexão com a Internet.

…Está em todos os lugares…

Por exemplo, você pode criar um curso em seu ambiente virtual de aprendizagem com uma série de lições e decidir que essas lições devem ser realizadas em sequência, ou então permitir que os alunos realizem os módulos na ordem que desejarem.

Cada lição pode ser um vídeo que você gravou. Você pode adicionar um PDF para acompanhar, alguns documentos Microsoft, links para recursos de terceiros, links para o YouTube, etc. Os alunos podem entrar no sistema a qualquer hora que quiserem, mesmo às 3 da manhã quando você estiver dormindo, e acessar cada lição na ordem que você definiu.

Você também pode definir outras regras importantes, como os tipos e frequência das avaliações, ou uma prova obrigatória antes de prosseguir para a próxima lição. Por exemplo, depois de assistir ao vídeo e estudar conteúdos complementares, os alunos podem fazer um teste após cada lição. Eles precisam obter pelo menos 80% para mostrar que compreenderam os materiais antes de ir para a próxima lição.

Alguns educadores já fazem isso; eles estão chamando de “sala de aula invertida”. Nela, os alunos assistem a vídeos ou conteúdos antes de ir para a sala de aula. O tempo presencial é usado para esclarecer conceitos, explorar o assunto em profundidade e garantir que todos possam passar para a próxima lição sem lacunas de conhecimento.

Para os educadores que usam a metodologia de salas de aula invertidas, a aprendizagem assíncrona é um território muito familiar.

Para aqueles que ainda não o fizeram, você precisa ter em mente que seus alunos fazem o curso sempre que desejam. Isso também significa que da próxima vez que você der a mesma aula, os materiais que você preparou ainda estarão lá para serem usados ​​semestre após semestre.

… E não está indo embora tão cedo

O único ponto positivo sobre a atual situação mundial é que os educadores que precisam gerenciar o aprendizado remoto se tornarão muito melhores no ensino assíncrono. Acho que eles serão educadores mais eficazes em geral. Eles serão capazes de ensinar e envolver os alunos, sem necessariamente ter que estar no mesmo ambiente.

Adotar uma mentalidade assíncrona ajudará você a se tornar um educador melhor quando as coisas voltarem ao normal.

Fique por dentro! Manteremos você atualizado com as dicas e recursos EdTech mais valiosos. Inscreva-se e nunca mais perca uma postagem!